Blog

Os sistemas cromáticos e suas implicações para a coloração pessoal

mulher-alegre-coloracao-pessoal-3

Muitos são os profissionais que se dedicam a coloração pessoal sem atentar-se aos diferentes sistemas ou campos cromáticos existentes. 

Esse conhecimento é fundamental para entendermos as diferenças entre as cores trabalhadas, materiais digitais e impressos, bem como os dois tipos de círculo cromático disponíveis no mercado.

Coloração pessoal  e sistema RGB

Esse sistema é baseado no modo como enxergamos. 

Nossos olhos contêm alguns fotorreceptores – que chamamos de bastonetes e cones –  divididos em três tipos sensíveis que refletem as cores vermelho (red), verde (green) e azul (blue). 

Sendo essas, portanto, as cores primárias deste campo.

A luz que penetra em nossa visão, através da pupila, estimula esses fotorreceptores e o nervo óptico transmite essa informação ao cérebro, fazendo com que as cores que enxergamos sejam reconstruídas e interpretadas, além de permitir diversas nuances.

O sistema RGB nos faz compreender que a capacidade sensível para enxergar cores é restrita a um campo visível, fato descoberto por Isaac Newton ao estudar os reflexos da luz em um prisma. 

Newton conseguiu por meio desse trabalho provar que as cores são luz e energia.

Não há um círculo cromático impresso no mercado de consultoria de imagem baseado nesse sistema, justamente porque é ele quem constitui as cores das telas, seja de nossos celulares, computadores ou televisões.

Isso significa que quando entregamos uma cartela de cores em formato digital, essas cores precisam estar dispostas nesse tipo de campo.

Entretanto, se entregamos uma cartela de cores em formato digital para impressão, o arquivo precisa ser salvo em outro sistema cromático, o CMY, para não haver erro nas cores. 

Vamos aprender mais sobre o CMY e sua relação com a coloração pessoal? 

O sistema CMY

Há uma outra defesa que diz que que enxergamos além do vermelho, verde e azul, a cor amarela. A qual, de fato, é muito singular e diferente das demais cores do sistema RGB. 

Essa capacidade complementou a nossa visão e também auxiliou na criação de um segundo sistema cromático, conhecido por CMY.

Tanto o sistema RGB quanto o CMY representam, portanto, estágios diferentes no modo como enxergamos as cores. 

Mas, o sistema CMY tem em sua composição as cores primárias azul ciano, rosa magenta e amarelo (yellow). 

Essas cromias são chamadas de subtrativas, o que significa que elas mais refletem do que absorvem luz, permitindo nuances diversas de uma mesma cor.

Esse sistema é o mesmo das impressões, sendo utilizado para a confecção das cartelas de cores físicas que entregamos aos nossos clientes. 

Existem círculos cromáticos no mercado baseados nesse campo e que são, portanto, os ideais para termos como referência na hora de trabalharmos com as harmonias em cores que iremos sugerir de acordo com a coloração pessoal de cada cliente.

Se nesse campo as cores primárias são o ciano, o magenta e o amarelo, certamente haverá diferenças nas cores secundárias (o vermelho, o anil e o verde) e terciárias (laranja, verde lima, turquesa, azul, violeta e púrpura).

Círculo Cromático da Ecole

Como este círculo é o correspondente ao sistema de cores das cartelas impressas, a Ecole passou a produzi-lo a fim de facilitar o trabalho de todas as consultoras que trabalham com análise cromática e coloração pessoal. 

Mas, e o círculo anteriormente utilizado pela escola, a que sistema pertence? É o que veremos a seguir!

O sistema RYB

Esse campo é muito utilizado nos estudos da área de belas artes, tendo a pintura como principal referência. 

Suas cores primárias vermelho (red), amarelo (yellow) e azul (blue) são as mesmas dos pigmentos mais antigos, que eram extraídos de elementos da natureza e produzidos de modo artesanal.

Como suas cores primárias não são as mesmas do sistema CMY, é fato que as cores secundárias e terciárias também serão diferentes. 

As cores secundárias deste campo são o laranja, o verde e o roxo, e as terciárias são o laranja amarelado, o vermelho alaranjado, o vermelho arroxeado, o roxo azulado, o azul esverdeado e o verde amarelado.

O sistema RYB tem em sua composição cromias primárias aditivas, o que significa que elas mais absorvem do que refletem luz, permitindo nuances mais fechadas de uma mesma cor. 

Veja a diferença entre o sistema RYB (à esquerda) e o sistema CMY (à direita) nas representações abaixo:

Afinal, qual sistema utilizar na composição de harmonias cromáticas?

Você pode utilizar os dois campos cromáticos ao trabalhar com harmonia das cores, pois ambos são adequados para tal. 

No entanto, você provavelmente terá mais facilidade de encontrar as correspondências das cores das cartelas de seus clientes trabalhando com um círculo CMY! 

É por isso que fizemos esta alteração em nosso material, para tornar o seu trabalho mais prático e assertivo e ainda preservar a identidade visual pessoal dos seus clientes!

Texto: Professora Luiza Magalhães Oliveira

A Ecole Brasil é uma escola de cursos e formações na área de imagem pessoal, psicologia de autoimagem, morfologia, visagismo e empreendedorismo! Entre em contato e entenda nosso propósito inovador

Um comentário em “Os sistemas cromáticos e suas implicações para a coloração pessoal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *