Gênero e Imagem

Ecole Brasil
Cursos Online

Gênero e Imagem

This content is protected, please login and enroll course to view this content!
Um comentário em “CONTEÚDO DE APOIO | Dica de Filme
  1. Tive uma certa identificação com esse filme.
    Já que aos meus 5/6 anos de idade, tinha muito problema com piolhos em função da escola. Hoje, isso já é bem menos, mas décadas de 70/80, impossível dizer, ah meu filho não pega …..
    Passava por inúmeros tratamentos caseiros e farmacológicos, e era como se tivesse um curto prazo de validade e tudo voltava de novo, nas ondas de piolhos e lêndias que os coleguinhas passavam de uns para os outros.
    Minha mãe, já cansada dessa “função” trabalhosa e diária, após cada chegada da escola, eu com um lindo cabelo loiro e cheio de cachos nas pontas (e na ápoca, tínhamos dificuldade financeira), ela me levou no barbeiro mesmo que tinha na rua, já que ir no Salão de Beleza (até então, para pessoas mais favorecidas),.
    Ela pediu como mãe já desesperada em não conseguir combater, pediu a ele que cortasse meu cabelo “Joãozinho”, lembro como se fosse hoje.
    Eu não entendi o que era o “tipo Joãozinho”. Pois bem, sai dali sem meus cachos, sem visualizar aquele meu loiro que me acompanhava desde pelo o que me conhecia “por gente”.
    Logo que sai dali da barbearia, (já chorando muito, claro), indo pra casa sem querer dar a mão pra minha mãe, os amiguinhos da rua, já começaram a me chamar de Luluzinho, já que eu era a Lú…. (sou)
    Fiquei em casa trancada por mais de semana, sem querer ir brincar na rua, como fazia diariamente. O problema, foi ir pra aula, que era obrigada e isso me gerou grande conflito e trauma.
    Sofri bulling por muito tempo, risadas, apontavam pra mim, que agora eu não era mais menina e por aí foi.
    Resumindo, me revoltei com minha mãe por muito tempo (pelo menos até o meu cabelo crescer), e isso demorou.
    Além de que quando ele voltou a crescer, o loiro não era mais o mesmo e não os cachos já não existiam mais também).
    Tive crises e crises de choro e culpando minha mãe e já naquela época (1979), lembro que ela dizia….
    Tua acha mesmo Luciane que o teu cabelo virou um problema? e se tu fosse uma menina que tivesse jeito de menino, alguem tem a ver com isso??
    Mas eu não entendia muito tudo aquilo….
    Ao entendimento da minha mãe, pra ela aquilo seria normal e como uma forma de tentar “eliminar” o tal problema, acreditou que não faria diferença,
    Hoje, sabemos que uma criança de 5 ou 6 anos e até menos, não permitiria…bateria pé até o final e não deixaria cortar.
    Aconteceu, que pra eu “voltar pra rua” pra brincar e tentar me socializar com meus vizinhos “amiguinhos”, comecei a jogar futebol com eles na rua. Porque acreditava que assim, eu seria aceita. E como de fato, já aos 5 anos, pensando assim….foi o que aconteceu.
    Os bullings começaram a terminar, aprendi a jogar futebol tão bem quanto eles, apostava corrida na rua….e foi assim esse meu periodo para aceitação.
    É como se eu realmente soubesse, que um cabelo curto não iria mudar minha forma de ser…mas minha mãe começou a se preocupar com minhas atitudes mais “menino”, mesmo que pra ela o cabelo curto a princípio não iria mudar nada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *